Translate

sábado, 21 de março de 2020

Experiência de professor e-learning nesses primeiros dias da COVID-19

Toda mudança relevante é precedida de uma situação de crise. E, agora em tempos do COVID-19, mais do que nunca, se percebe que no âmbito da educação, os professores de todos os níveis tiveram que se adaptar de maneira súbita ao ensino à distância na modalidade e-learning (aprendizagem por meio de mídia eletrônica). Na minha experiência como professor de Direito Empresarial da Universidade de Almeria, Espanha, começo a sentir os primeiros efeitos dessa nova modalidade de ensino, e, especialmente, percebo a necessidade de algumas habilidades transversais para além do conhecimento técnico da matéria a ser ministrada em sala de aula.

Assim, percebi que o papel do professor tradicional em relação ao professor à distância mudou. Este último se tornou um guia na relação ensino-aprendizagem, uma vez que o aluno possui todo o conteúdo à sua disposição, e no qual deve estudar de forma independente. Portanto, nessa relação o professor se caracteriza como um facilitador da aprendizagem.

Em contrapartida, no e-learning requer-se-á mais tempo e disposição do professor, pois se lhe é exigido a permanente atualização e contato com os alunos. O professor passa a ser, do mesmo modo, um gestor acadêmico, tendo que responder aos e-mails de seus alunos, mantendo-os motivados, participar com mensagens nos fóruns, chats, gravação de vídeos, entre outras atividades extras.

Outro ponto importante é o estado de ânimo dos alunos. Nesse sentido, a motivação do professor e a transmissão desta aos alunos desempenha um papel importante. Entendo que é necessário transmitir um compromisso e apoio aos alunos, para que eles não se sintam isolados e não cometam erros no seu processo de aprendizagem. O feedback dos alunos é altíssimo: frequentemente me pedem explicações extras por meio de gravações de vídeos e material adicionais de leitura. Também utilizei as ferramentas como o Google formulários para fazer provas on-line e colocar os alunos em confronto imediato com o conhecimento aprendido – eles próprios podem ver o desempenho e depois debatemos e sugerimos releituras nos seus pontos fracos (o Google formulários mostra um gráfico interessantíssimo nesse quesito).

Portanto, o processo de ensino-aprendizagem por meio do e-learning oferece diferentes possibilidades. Entre as quais, temos que: reduzir o conteúdo e transformar a aprendizagem em conhecimento dinâmico e interativo, onde os próprios alunos desenvolvem suas habilidades. Mas, atenção: é necessário um grande esforço gerencial por parte do professor, pois os alunos têm uma enorme quantidade de informações, e, nesse sentido, é preciso saber guiar o aluno no melhor caminho para que este seja um ator do conhecimento e participe com alguma medida de autonomia e interesse, sem descurar a outra ponta desse processo: as avaliações e retroalimentação do conhecimento.

Almería, 21 de março de 2020.

Fotografia do campus da Universidade de Almería.

Nenhum comentário:

Postar um comentário