Translate

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Vivendo Propósitos na Universidade - Parte 1



A motivação da narrativa nasceu de uma conversa com uma amiga. Naquele momento o texto limitou-se a algumas linhas, porém achei por bem continuar escrevendo e com isso dar a oportunidade de mais pessoas conhecerem uma parte da história de um estudante brasileiro que como tantos outros, arrisca novos desafios no velho continente e tem experiências que marcam um novo roteiro na sua vida.

Olá!

Vencendo o medo de “quebrar o gelo”, acho que vale a pena continuar. Pelo menos de um modo ou de outro você irá me conhecer. Continuo a achar estranho falar contigo e não saber a sua reação, mas vou tentar parar de pensar nisso, o que mais importa é se você está a rir e no fundo a pensar: “nunca vi ninguém tão maluco quanto este!”.
Bom, deixa-me apresentar:

Sou Fábio, sobrenomes (da Silva, mãe), Veiga (pai). Nasci no Brasil e vivi lá até os meus 24 anos. Até esta idade nunca sequer tinha mudado de cidade. Parei no Europa por “razões do destino”, que prefiro chamar de Propósitos.

A minha história aqui no velho continente foi realmente pautada nos Propósitos. Por mim não teria vindo, e depois, sequer teria continuado a viver aqui. Mas como os nossos pensamentos não são os pensamentos de Quem escreve os nossos Propósitos, a minha história já estava escrita e eu não sabia.

Depois de terminar a faculdade no Brasil ganhei uma passagem para desfrutar dois meses de férias na Espanha com minha família que lá vivia. Tinha uma vida ordenada no Brasil, casa, carro, namorada, trabalho profissional, e tudo que um rapaz que acaba de finalizar o seu curso desejava: uma carreira com muitas expectativas. Eu naquela época dizia: “o meu ano de 2010 será o melhor ano da minha vida”. E isto, de fato aconteceu. Porém não da maneira que planejava. 
Quando aqui cheguei (Espanha), nas primeiras semanas comecei a pesquisar cursos de férias, na minha área de estudos. Pensava que poderia aproveitar o meu tempo aqui e fazer alguma coisa que me trouxesse retorno pessoal e profissional. Só que deveria ser apenas naquele tempo, em dois meses, pois todo mundo me esperava de volta, inclusive este era o meu desejo. No entanto, entra novamente a intenção dos Propósitos, e ela não acompanhava o meu raciocínio. Foi assim que de um momento, repentinamente encontrei a resposta dos meus sonhos: aqui estaria a possibilidade de eu realizá-los. 

Em poucas semanas decidi, e não sei como tive forças para isso, de que deveria ficar e tentar entrar numa faculdade e fazer a minha primeira pós-graduação.  Mas isto representava abdicar de tudo que eu tinha no Brasil. Tudo. Voltei a ser um “garoto”, sem trabalho profissional, sem carro próprio, sem namorada, sem amigos de faculdade, sem a banda da minha igreja. Voltei a ser um simples rapaz, solto num lugar quase desconhecido. E mais, não sabia se conseguiria ser admitido na universidade. Largava tudo para ousar uma tentativa. Foi aí que descobri minhas primeiras experiências de que nas tentativas estão escondidos os nossos melhores sonhos.

Passados 8 meses recebi a notícia que teria sido admitido. Meu primeiro passo havia sido dado. E os Propósitos começaram a ser confirmados na minha vida. A frase que eu havia dito no ano anterior de que “o ano de 2010 seria o melhor ano da minha vida” estava acontecendo, e eu nem imaginava o poder destas palavras. Entretanto muitas coisas haveriam de acontecer, e aconteceram.

Bom, acho que terei oportunidade de dizê-las mais adiante. Continuarei numa próxima mensagem. 
Uma excelente semana a todos!
 

4 comentários:

  1. Que idéia bacana Fábio! Aguardo suas publicações! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo Blog, Fábio! Como diz um velho ditado português: quem procura sempre alcança. Um Abraço desde Salamanca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande verdade, Cláudio. Obrigado, amigo.
      Outro abraço desde a cidade do Porto.

      Excluir